depositphotos_1617659-stock-photo-old-paper-texture

#Reforma500 – A História da Reforma protestante – Cap. 1 Surgimento

Começaremos a partir deste texto uma série sobre a reforma protestante e os reformadores, contando algumas curiosidades, introdução histórica e comparações com a atualidade da igreja de modo geral. Espero que vocês gostem do que será abordado daqui para frente.

Temos que agradecer muito aos reformadores, eles introduziram a ideia na sociedade ocidental que sim, um mesmo país ou região poderia tranquilamente (ou não) conviver com outra. Lutero, com a ideia da reforma foi um dos precursores do que entendemos como laicidade estatal, que é a permanência de várias religiões no estado, sem que esse tenha uma religião oficial ou pelo menos não “formalmente”.

A reforma se inicia historicamente no finalzinho do século XVI quando a venda de indulgências na igreja católica estava a todo vapor. Para quem não sabe as indulgências eram objetos, papéis ou coisas do tipo, que a igreja vendia para a pessoa que quisesse ser salva, e ainda tinha uns objetos “santos” como pedaços de lascas da cruz de Cristo e etc. Ou seja, para ser salvo era só na base do pagamento, a pessoa ainda recebia um “diploma” como se fosse um recibo de que a sua salvação estava comprada.

Resultado de imagem para indulgência catolica

Só que um belo dia, um “monge” chamado Martin Luther, ou Martinho para os íntimos (sim, pode rir que a piada foi infame). Martinho, em 1508 tornou-se professor de teologia na Universidade de Wittenberg, em 1509 ele vai à Roma (ba dum tss) e volta decepcionado com a venda das indulgências e do “destempero” da igreja católica em “destruir” tudo aquilo que ele já havia estudado das escrituras, Lutero então, em 1512, torna-se doutor em teologia e é nomeado “vigário”, sendo autoridade na maioria dos monastérios da região de Wittenberg além de boa parte da Alemanha. Lutero também estudou grego e hebraico e se especializou na interpretação das escrituras e foi ai que a coisa começou a acontecer.

Resultado de imagem para lutero

Martin Luther

Lutero começou a ver, no estudo mais aprofundado a diferença entre o que a Bíblia dizia e o que a igreja católica pregava durante o papado de Leão X; a venda de indulgências estava de uma maneira tão “exacerbada” que a gente pode comparar a uma igreja universal, por exemplo, a coisa era fora do normal. Vendo isso, Lutero compra uma briga com os cachorros grandes da época e então faz em 31 de outubro de 1517, o que a gente conhece como o “estopim” da reforma que é a pregação das 95 teses sobre as indulgências na porta da igreja de todos os santos, lá em Wittenberg, conhecida também como igreja do castelo.

Resultado de imagem para 95 teses

E aí meu amigo, a coisa deu uma treta maligna! Lutero pregava que a salvação não podia ser comprada, que a salvação não era por meio da venda de artigos exotéricos ou certificados que a igreja podia ou não emitir para comprovar a salvação de alguém, Lutero pregou que a salvação na verdade era pela fé e isso não vinha de nós e sim era pela graça, ou seja, um dom divino assim como diz a Bíblia em Efésios 2:8.

Só que aí, o Papa sabendo o que havia ocorrido ficou, como a gente diz aqui na Bahia “Virado na desgraça” com tudo aquilo (aquela regra né pai, mexeu no bolso, o cara sente), ele chegou até dizer frases fortes contra Lutero afirmando que ele seria um “alemão bêbado que escrevera as teses” e ainda diz que “quando estiver sóbrio mudará de opinião”, bem, sorry papa! Lutero prosseguiu nas suas teses e ideias e não estava nenhum pouco bêbado!

Enquanto o papa estava vacilando e achando que Lutero estava virado nos gorós. Lutero já havia tomado “de assalto”, com suas ideias revolucionárias e inovadoras, boa parte da galera na convenção dos agostinianos em Heideberg, onde apresentou a tese sobre a escravidão do homem ao pecado e a graça divina. Desse dia em diante Lutero foi considerado “herege” pela igreja católica.

Porém, o papa sabia que perder Lutero era perder boa parte da Alemanha, considerando sua forte influência na época, além do mais ele ganhava as pessoas com muita facilidade ao apresentar suas teses, então vendo isso, uma figura conhecida como Frederico, o sábio, tentou “proteger” Lutero do papa, fazendo algo para apaziguar a situação e conseguir uma solução pacífica para as discordâncias, só que você acha que deu certo? Bom, em 1519, Lutero decidiu entrar em um “silêncio” contra seus opositores, mas não durou muito tempo.

As teses de Lutero saíram da Alemanha e começaram a rodar a Europa, isso levou a um colapso, gente da França, Inglaterra e Itália, já estavam sabendo o que o alemão estava pregando e passaram inclusive a acompanhá-lo em alguns de seus pensamentos.

Algumas autoridades alemãs como Franz Von Sickingen e Silvestre de Schauenbur queriam manter Lutero sobre sua proteção, Lutero, por sua vez, volta a “falar” e trava algumas disputas ideológicas em Leipzig com alguns humanistas da época, como Erasmo de Roterdão. E sob uma grave crise nos ideais da igreja Alemanha, Lutero decidiu escrever o que o povo chama de “À Nobreza Cristã da Nação Alemã” ,em 1520, isso chegou às mãos do papa. Lutero foi inventar de chamar o papa de anticristo e listar alguns abusos eclesiásticos indo além das indulgências. Uma dessas denúncias e pedidos foi “A abolição das rendas do papa”, como eu disse antes, mexeu no bolso, já era. Esse tipo de ideia não era aceita nem a pau! Mexam em tudo, mas não mexam na conta do papa!

Lutero fez um verdadeiro relatório, propondo o fim do celibato, reconhecimento de governos extra-católicos, abolição de peregrinações que causavam dor e autoflagelação e por aí vai. Bom, sabendo disso o Papa Leão X ficou uma onça, e decidiu então expurgar ou excomungar Lutero da igreja. Lutero responde ao papa com uma frase que doeu até meu pâncreas “Eu não me submeto a leis ao interpretar a palavra de Deus” no seu escrito “A Liberdade de um Cristão”.

Depois veio a famosa a Dieta de Worms, essa “Dieta” também conhecida como um símbolo dos teclados pelo mundo a “Reichstag” (Ba dum tss) ou Regime. Que mesmo sendo nada saudável na verdade era uma reunião do Sacro Império Romano Germânico, onde o imperador Carlos V convidou Lutero a renunciar seus pensamentos e voltar à normalidade da coisa, porém, Lutero não quis!

Lutero, repeles seus livros e os erros que eles contêm?

Lutero, então, respondeu:

Que se me convençam mediante testemunho das Escrituras e claros argumentos da razão – porque não acredito nem no Papa nem nos concílios já que está provado amiúde que estão errados, contradizendo-se a si mesmos – pelos textos da Sagrada Escritura- que citei, estou submetido a minha consciência e unido à palavra de Deus. Por isto, não posso nem quero retratar-me de nada, porque fazer algo contra a consciência não é seguro nem saudável.” (Dieta nada saudável a de Worms ein?).

Ou seja, Lutero “mitou” na frente da galera, depois disso ele foi excomungado e exilado no castelo de Wartburg. Em 1530 a coisa começou a se ploriferar de uma maneira que Carlos V teve que fazer inúmeras “hashtags” para tentar apaziguar a coisa, todo mundo já estava sabendo e acreditava fielmente no que Lutero pregava, ao mesmo tempo durante 1520 até 1530 grupos já haviam se formado na França e na Suíça, liderados por Calvino e Zwiglo, na Alemanha quem liderava era Lutero e na Inglaterra Henrique VIII defendeu a igreja católica, mas depois o reino unido, meio que, ‘se rendeu’ ao protestantismo através das ideias de John Knox na Escócia, ao mesmo tempo, nos países baixos, movimentos populares já tomavam fortaleza através de Erasmo de Roterdão e por aí vai.

Resultado de imagem para mapa da reforma protestante

Nisso vários movimentos vão começando a ganhar forma: Luteranos, Calvinistas, Anglicanos (que eram católicos só que romperam com Roma), Anabatistas, e outros conhecidos apenas como ‘reformados’.

Esses movimentos tinham na verdade uma grande discordância da igreja católica, algumas entre si, mas todos tinham o mesmo objetivo que era derrubar a hegemonia do catolicismo da Europa, todos batalharam de maneiras diferentes pelo mesmo objetivo, porém o protestantismo tem um erro desde seu início, ele se “divide demais” e essas divisões causaram discussões, mortes e guerras.

A divisão do Cristianismo protestante do Católico é louvável, entretanto quando os movimentos avulsos começaram a se formar a coisa começou a dar errado. E é isso que eu vou tratar no próximo texto!

Autor: Paulo Ricardo Lima – Pregador, Palestrante DESMOTIVACIONAL, teólogo de boteco.

http://www.espacoacademico.com.br/034/34tc_lutero.htm

http://www.jcrelations.net/Christians+and+Jews.+A+Declaration+of+the+Lutheran+Church+of+Bavaria.2377.0.html?L=3

www.luthersem.edu/word&world/Archives/3-4_Luther/3-4_Hendrix.pdf

www.mackenzie.br/fileadmin/Mantenedora/CPAJ/…da…/Reforma_Protestante_ok.ppt