depositphotos_1617659-stock-photo-old-paper-texture

Reforma500 – A história da Reforma Protestante – Cap. 3 – Contrarreforma

Você acha mesmo que Lutero iniciaria todo esse movimento, chegando ao ponto de praticamente formar uma nova religião, mexer no bolso do papa, mexer com o Carlos V, conquistar a igreja anglicana, ter uma grande influência política e religiosa e a igreja católica ia deixar barato?

Negativo jovem mancebo.  A igreja católica iniciou uma caça aos mentores e aos seguidores de Lutero para tentar “abafar” a coisa e não perder seu poder de domínio sobre a Europa. A contrarreforma inicia-se quando Lutero diz que não iria se retratar e nem tirar da cabeça que a igreja estava equivocada, mas ganha força mesmo em meados de 1542, quando o Papa Paulo III decide fazer uma verdadeira “inquisição” aos “hereges”, no caso os protestantes.

Resultado de imagem para contra reforma

Antes disso, os clérigos romanos faziam de tudo pra reconquistar o povo, devolviam dinheiro de indulgência, ou seja, “fazia qualquer negócio” para reconverter os convertidos ao protestantismo, só que não rolou, eles, então, decidiram usar a força, se através da educação não rola, rolaria então pela espada, depois do pontífice Paulo III iniciar sua própria inquisição, como dito anteriormente, formou-se uma grande pressão na Europa para que o papa fizesse um novo concilio para “reafirmar”, ou mudar alguns preceitos que deixava o povo insatisfeito, até porque em 1545 a reforma tinha se tornado “imparável”.

Concílio é uma reunião de líderes eclesiásticos ou um encontro de revisões e reafirmações de preceitos constituintes das igrejas, dos quais esses, na igreja protestante, foram chamados de “sínodos”. O Papa já estava enfraquecido, e se não houvesse o concílio vários lideres e clérigos iriam tirar os seus apoios ($$$$$$$) do vaticano, foi então que veio a grande ideia do Papa Paulo III: Fazer uma reforma católica! Parece que a moda na época era reformar não é mesmo? HAHAHAHAHA.

Resultado de imagem para concílio de trento

O Papa bolou o concílio de Trento, na Itália, que pasme, durou entre 1545 e 1563, durante esse tempo todo, os caras tiveram grandes ideias, apenas manter aquilo que a igreja já acreditava! Nossa que original! Nesse processo houve três trocas de papas, começou com Paulo III, depois Júlio III, e depois Pio IV, ufa é muito ‘troca-troca’. O princípio da salvação pela fé e boas obras foi mantido, o culto à Virgem Maria e aos santos foi reafirmado, bem como a existência do purgatório, a crença católica manteria as duas origens: a Bíblia e as tradições transmitidas pela Igreja Católica. Ou seja, tanto tempo, para não mudar nada!

Só que eles decidiram deixar mais uma coisa em ênfase nessa pseudoreforma: a infalibilidade do papa. Ou seja, o que o papa disser é lei, é sagrado, é santo e equivale a uma ordem vinda diretamente de Deus, sem que pudesse ser revogada ou questionada. – danadinho esses papas, né não?

Essa reforma aí dos católicos teve alguns destaques históricos, eles fizeram o “Tribunal do Santo Ofício” e como eu já havia dito, a Inquisição foi reativada através de um decreto papal chamado de Index Librorum Prohibitorum (e eu sei que você tentou repetir isso com a voz dos italianos), com isso, eles proibiram e censuraram livros, milhares de pessoas foram torturadas e mortas apenas por acreditar no protestantismo, até Galileu Galilei teve que abrir mão de seus estudos e renegar suas descobertas para não ir pra fogueira.

Resultado de imagem para Index Librorum Prohibitorum

O propósito disso tudo era conter a reforma protestante em alguns lugares, como a própria Itália, Espanha, Portugal, e conter os avanços da reforma nesses últimos dois países, onde a igreja católica foi tão pioneira nas suas ‘cristianizações’, através das travessias marítimas para África e América foi, junto com Espanha e Portugal, o catolicismo. Voltava ao domínio de tudo pela espada e pela Cruz, usando como escudo e proteção os espanhóis e portugueses. Você, sem dúvida, sabe que a América, de modo geral, exceto os Estados Unidos, foi completamente católica, até a maioria dos países conseguirem as suas independências dos países europeus. Os Estados Unidos tiveram um destino diferente do nosso porque foram colonizados pelos ingleses que eram reformados e calvinistas. Se tivéssemos sido colonizados por esses caras, talvez hoje a gente não tivesse do jeito que está.

Depois do concílio, a igreja recuperou boa parte do que havia perdido com a reforma, meio que com dinheiro em caixa eles deram uma “acalmada” na perseguição aos protestantes e também com a descoberta da América vieram povos prontos para ser ‘evangelizados’ o foco deixou de ser a Europa e passou a ser a América, o novo mundo era o que necessitava da atenção do papa e da igreja. Porém, a reforma protestante durante esse período ganhou força entre o povo, entre a igreja (a nova igreja) e chegou às universidades, tomando a parte “intelectual” da Europa e começando um processo que eu apelido de “metanóia” do período.

As perseguições, mortes e tudo mais não foram suficientes para parar o avanço da pregação, Lutero até chega a dizer que: “Eu me opus às indulgências e aos papistas, mas nunca pela força. Eu simplesmente ensinei, preguei e traduzi a Palavra de Deus; fora isso, não fiz mais nada. E enquanto eu dormia ou bebia a cerveja de Wittenberg com meus amigos Phillip e Amsdorf, a Palavra enfraqueceu o papado de tal forma que nenhum príncipe ou imperador jamais seria capaz. Eu não fiz nada; a Palavra fez tudo”.

Bom, esse foi o capítulo 3 da nossa série sobre a reforma em textos. O próximo capítulo baseia-se nos erros que a reforma cometeu durante seu início até o fim do movimento que se renovaria no Sec. XVII. Estão gostando da nossa série? Deixe sua opinião.

Autor- Paulo Ricardo Lima – Pregador, Palestrante Desmotivacional, teólogo de boteco.

http://epoca.globo.com/cultura/noticia/2017/10/como-catarina-von-bora-mulher-de-lutero-influenciou-reforma-protestante.html

http://historiadomundo.uol.com.br/idade-moderna/contrarreforma-novo-folego-ao-catolicismo.htm

https://escola.britannica.com.br/levels/fundamental/article/Contra-Reforma/574456

http://www.catholicculture.org/library/view.cfm?recnum=1054

http://pt.crc-resurrection.org/

 

  • João Farias

    Cara, tem uma série do Brasil Paralelo onde eles tentam retomar a credibilidade do brasileiro no Brasil e seu próprio povo. Eu concordo que nossa história teve muita coisa negada por ela não ajudar aos atuais governantes do Brasil com suas ideologias. A série se chama: Brasil – A Ultima Cruzada. Pelo nome da pra saber que a sardinha é pro lado da ICAR. Mesmo mostrando muitos fatos históricos comprováveis que nos foram negados, como por exemplo o nome do real fundador do Brasil que foi José Bonifacil, eles se utilizam de suposições para insinuar coisas contra o Protestantismo no Brasil, como por exemplo a batalha contra os holandeses, que eram protestantes, e que muita gente acredita que o Brasil seria melhor se tivesse sido colonizado por eles, mas o pessoal do Brasil Paralelo acha que não, mas, por um acaso ou não, eles não falam que não foi o governo da Holanda que ordenou o ataque, então eles vão sistematicamente ocultando coisas convenientes. Falei sobre isso por achar importante que, se caso em algum momento desses textos entrar na pauta as colonizações por países protestantes, se esclareçam alguns fatos históricos.

    • Paulo Ricardo Lima

      Verdade, porém a gente tá numa saga pra mostrar a reforma de maneira descomplicada, nosso 4 é 5 capítulos mostrará as duas faces da reforma e seus resultados