NOVA - Cópia (3)

Reforma500 – A história da Reforma Protestante – Cap. 5 – Pós-Reforma

Para que você comece a ter uma compreensão total da reforma, a pós-reforma é um dos momentos mais importantes da reforma, pois após a tempestade vem a bonança? Certo? Talvez.

A junção da teologia com a política e os novos estados eclesiásticos reformados estavam começando a tomar forma e outros já estavam consolidados, depois da morte de Lutero em 1546, os reformadores tomaram vários expoentes e frentes do movimento, como eu já havia dito, essas divisões e subdivisões geraram conflitos de interesses.

Começou, então, depois de 1563, a expansão protestante na Europa, o que já havia se tornado grande, agora consolidara-se na Europa e ganhou forças absurdas, a queda de braço entre o Catolicismo e o Protestantismo já havia diminuído devido à conquista da América e da África e o protestantismo só crescia. Com a morte dos reformadores originais, surgiram mais movimentos e deu-se a ascensão de mais líderes.

Resultado de imagem para expansão protestante

O século 16 acaba e com tudo que já tínhamos visto era fácil de afirmar que a nova igreja não iria “vingar”, divida, cheia de expoentes, cheia de ensinos, mas não foi o que aconteceu, cada vez mais as pessoas se tornavam protestantes. Inglaterra, Suíça, França, Holanda já eram países declaradamente separados da igreja católica, sendo que nos 2 primeiros a religião oficial eram o Anglicanismo e na outra o Calvinismo, nos demais, em um consolidou-se a divisão do clero, e de lá vieram as revoluções de pensamento iluminista e do outro, além de si mesmo, os outros países ao seu redor também se renderam ao calvinismo e protestantismo. Consequentemente, os países colonizados também iriam aderir ao que os colonizadores tinham como fé, exemplo disso são os Estados Unidos e Austrália.

Século 17 entrando no couro e aí veio os pós-reformados, os PURITANOS que eram conhecidos como ‘trapos do catolicismo’ na Inglaterra, mas que na verdade eram mais favoráveis as igrejas reformadas e calvinistas, e alguns mais “alegrinhos” mais raivosos que eram chamados de separatistas, depois vieram os Quakers, depois os Pietistas e não confunda com petistas, o pau quebra.

Tudo isso dura um século para a consolidação total do protestantismo e seus movimentos.

Vamos organizar aqui numa linha do tempo legal?

Sec 16: Luteranismo, Calvinismo, Anglicanismo Reformado > Sec 17: Puritanos, Separatistas, Quakers e Pietistas.

Os movimentos do Sec. 17 tiveram líderes que merecem o nosso destaque: No puritanismo, Thomas Cartwright, nos separatistas Robert Browne (Brownie é algo bom), nos Quakers era George Fox, nos Pietistas era Philip Jakob Spener. As diferenças entre eles eram básicas:

Os puritanos a brigavam era para purificar a igreja, o culto, a família, a universidade e o governo à luz das Escrituras. Já os separatistas lutavam por uma igreja avivada sem as tradições mecânicas da liturgia católica e anglicana, já os Quakers (Não eram o pessoal que criou a aveia) queriam um cristianismo mais espiritual e atacaram a superficialidade das igrejas na Inglaterra, Já os PIETISTAS eram contrários ao racionalismo que dominava a igreja. Ensinavam a necessidade da santidade e de renunciar o mundo.

Resultado de imagem para puritanos

No geral eles queriam pureza nas pregações, pureza nas igrejas, pureza do povo, avivamentos, mais pregação, mais santidade, mais renúncia e é daí que rola o “start” para o evangelho moderno, que é justamente a briga para que as pessoas se mantenham no caminho de Cristo a partir da santidade e dos preceitos amorosos de Jesus. A igreja protestante já havia baixado a espada, já tinha largado ela, os conflitos cessaram e agora o interesse era interno, eles queriam coisas que, na mente deles, eram diferentes, mas que faziam parte de um mesmo contexto e até hoje no meio de nossas igrejas clamamos pelas mesmas coisas.

Eu costumo dizer que a reforma de 500 anos atrás é latente hoje, porque voltaram a vender indulgências, voltaram a vender Jesus, à tirar a pureza do evangelho, começaram a levantar líderes com a mesma infalibilidade papal de Paulo III e sem um concílio de Trento, porque hoje não é só um, são vários, os líderes religiosos estão hoje aos montes se dizendo profetas, bocas de Deus, judaízam nosso povo. Nos aproximam dos católicos no sentido de serem parecidos com aquilo que Lutero se levantou para destruir, são eles hoje apóstolos, bispos, fizeram dos dons verdadeiros cargos, e continuam dia após dia numa verdadeira putaria generalizada de igrejas que deveria ser noivas, mas que na verdade são prostitutas casuais, sodomitas, prostituem os ideias cristãos e aquilo que o próprio cristo pregou.

A reforma também foi o start para o capitalismo e para a proliferação da ideia de que TODOS deveriam saber ler e escrever, principalmente entender as escrituras. Antes da reforma todo governo europeu era feudal, monarca ou clerical, e às vezes os 3 juntos, havia os principados como Roma e o Vaticano, na Itália. Nos governos reformados a venda e a compra eram coisas que consequentemente ficaram avantajados, as pessoas mais bem informadas procuravam sempre a melhora de sua vida produzindo, comprando e vendendo e formando um ciclo de enriquecimento de determinados países.

Hoje os países mais ricos do mundo são capitalistas e tem a fé reformada como base: Estados Unidos, Inglaterra, Escócia, Noruega, Suécia, Holanda, Finlândia, Islândia, Dinamarca, Austrália. Hoje nesses países pelo menos 50% da população é calvinista ou reformada de alguma das vertentes, o maior destaque de todos é os EUA que tem hoje quase 57% da população calvinista, incluindo até o atual presidente Donald Trump.

A reforma influenciou na política, na maneira de se pensar a liberdade individual, principalmente, onde a liberdade a igualdade e a fraternidade se tornaram ideias do movimento iluminista francês e que regeu todos os sistemas políticos, democratas e republicanos de todo o ocidente. O próprio puritanismo é uma das bases para o iluminismo tendo uma grande influência na parte filosófica do movimento.

A reforma causou grandes mudanças na cultura europeia e ocidental, de modo geral, no próximo capítulo vou explicar as influências culturais da reforma, na vida do europeu, nas universidades e etc.

Autor: Paulo Ricardo Lima – Pregador, palestrante DESMOTIVACIONAL, teólogo de Boteco.

http://milhoranza.com/2011/05/31/o-pos-reforma/

http://wilsonalves.comunidades.net/grandes-avivamentos-pos-reforma

http://www.monergismo.com/textos/credos/confissoes-reformadas_helio.pdf

http://www.anglicandiocese.com.br/wp-content/uploads/2015/04/Documentos-Historicos-do-Protestantismo.pdf

https://ceticismo.net/religiao/grandes-mentiras-religiosas/a-riqueza-das-nacoes-protestantes/

 

 

  • Marcel Nagm

    Li incessamente todos os posts, abordagem simples apresentado tudo de forma explicada e clara. Parabens, estou esperando os próximos.