maxresdefault

Porque rejeitamos os livros apócrifos?

Se você não é maduro para entender um assunto eu sugiro que você não continue essa leitura, seu pastor, bispo, padre ou qualquer desgraça que aliene você não quer nem que você saiba da existência do que vai ser abordado. Portanto se você está disposto a sair do evangelho feijão co arroz, pode continuar, senão, feixe a aba e vida que segue.

No geral a gente sabe pouquíssimo sobre os evangelhos apócrifos, existem mais informações sobre o “Deuterocanon”, os livros judeus que foram rejeitados pelos judeus e pelos protestantes e aceitos pelo catolicismo, do que sobre o que veio com a ideia neotestamentárias.

Os evangelhos apócrifos seriam cartas, livros ou ideias escritas pelos “não-apóstolos”, e pelos apóstolos só que por algum motivo não foram aceitos no cânon do Novo Testamento. Há historiadores que dizem que Mateus, Lucas e etc. Não escreveram os evangelhos, esses evangelhos chegaram até os católicos sem “autores” e ganharam nomes de apóstolos que estiveram com Cristo. Outros dizem que houve registros que demonstravam que esses textos são de quem realmente são no caso os evangelhos aceitos no cânon que temos hoje.

Os 4 evangelhos canônicos você já conhece, porém existem:  o Evangelho da Infância Siríaco, História de José, o carpinteiro, A Vida de João Batista, O Evangelho Armênio da Infância de Jesus, Evangelho dos Hebreus, Evangelho dos Nazarenos, Evangelho dos Bionitas, Infância de Thiago, Infância de Tomé, Evangelho de pseudo-Mateus, ou Evangelho da infância de Mateus, Evangelho de Mani, Marcião, Apeles, Bardesanes, Declaração de José de Arimatéia, Evangelho de Pedro, Atos de Pilatos, também chamado de Evangelho de Nicodemos, Relato de Pilatos a Cláudio, Cura de Tibério, Descida de Cristo ao Inferno, Evangelho de Bartolomeu, Questões de Bartolomeu, Ressurreição de Jesus Cristo, que alega ser “de acordo com Bartolomeu”, Sentença de Pôncio Pilatos contra Jesus , Diagrama Ofitas, Livro de Jeú.

Ufa, é muita coisa, e tudo isso foi rejeitado pelo catolicismo porque os primeiros padres católicos do séc. 4 e 5 diziam que esses textos faziam “oposição” ao que dizia o cânon já formado, o protestantismo não fez nenhuma “ressurreição” desses textos, a reforma em si foi para reformar a igreja católica, tanto que a Bíblia evangélica, ou a Bíblia de Lutero, só retirou os livros do deuterocanon, aqueles 7 livros que são aceitos pela igreja católica que faziam parte da “história” judaica, mas que os próprios judeus e historiadores não cristãos, como Flávio Josefo, rejeitam por sua falta de coerência e compatibilidade com a história veterotestamentária já existente.

Além dos evangelhos apócrifos, existem também os atos apócrifos, que são descrições de ações realizadas por Paulo e pelos outros apóstolos que não foram inclusas no livro de atos, Atos de André, Atos de André e Matias, Atos de Barnabé, Atos de João (150 – 160 d.C) descrevem milagres, citam sermões e são bastante ascéticos, Atos de João o Teólogo, Atos dos mártires, Atos de Paulo (c.e 160 d.C) contém a estória de uma jovem em Icônio que teria se apaixonado por Paulo e teria deixado o seu noivado. Atos de Paulo e Tecla, Atos de Pedro (século II), queda da igreja de Roma devido às vilezas de Simão Mago, fuga de Pedro de Roma, sua volta e crucificação de cabeça para baixo, Atos de Pedro e André, Atos de Pedro e Paulo, Atos de Pedro e os doze (gnóstico), Atos de Filipe, Atos de Pilatos, Atos de Tadeu, Atos de Tomé, gnóstico, (final do século II) descreve Tomé como um missionário na Índia, Atos de Xantipe, Polixena e Rebeca, Relatos de martírios, Martírio de André, Martírio de Bartolomeu, Martírio de Mateus.

Resultado de imagem para flavio josefo

Flavio Josefo

Ou seja, É MUITA INFORMAÇÃO! Tudo isso foi simplesmente descartado pela igreja católica e até hoje é simplesmente ignorado pela igreja. Eu quero que você saiba que quem fez a primeira divisão dos textos para a formação da Bíblia foram os sacerdotes pagãos de Constantino. Constantino era analfabeto, não tinha conhecimento teológico pra decidir o que era verdade ou não era, portanto, ignorar esses textos ou dizer que são “história” ou “estória” coube à igreja católica em seu início.

Isso porque eu não citei ainda as epístolas! SIM, TEM MAIS COISA! Epístola de Barnabé, Epístolas de Clemente: I Clemente e II Clemente, Epístola dos Coríntios a Paulo, Epístola de Inácio aos Esmirniotas, Epístola de Inácio aos Trálios, Epístola de Policarpo aos Filipenses, Epístola dos Apóstolos, Epístola a Diogneto, Epístola aos Laodicenses, que está em nome de Paulo, escrita para materializar a epístola mencionada em Colossenses 4:16, Correspondência entre Paulo e Sêneca, Terceira Epístola aos Coríntios, aceita no passado por algumas Igrejas Ortodoxas Armênias, Correspondência entre Jesus e o rei de Edessa, Abgar, Ditos de Jesus ao rei Abgar, Epístola de Jesus ao rei Abgar (2 versões), Epístola do rei Abgar a Jesus, Correspondências de Pôncio Pilatos: Epístola de Pôncio Pilatos a Herodese Epístola de Pôncio Pilatos ao Imperador.

As epístolas mais “famosas” são as de Barnabé e o livro de III Coríntios, já mencionadas até em filmes, O Evangelho de São Rafael que menciona que Cristo havia casado com Maria Madalena e por aí vai. A maioria desses textos foi rejeitada porque traziam ideias que, até hoje, são contrárias à maioria dos dogmas católicos e mesmo que na própria Bíblia católica haja menções de erros que os católicos cometem como fazer templos e ter estátuas para adoração ou admiração, a gente tem que ter a noção de que os caras da época fizeram um “balaio de gato” ignoraram uns e colocaram outros ao seu bel prazer, a única coisa que sabemos que está teoricamente intacta é o Velho testamento. O novo está cheio de ‘limbos’ históricos e “éstoricos”.

A história não pode ser colocada num tubo e testada para saber  se foi verdade ou não, para que uma história seja verdade ela tem que ter fatos geográficos, técnicos, datados, e comprovados por outras pessoas de maneira externa, por exemplo, o Dilúvio, está no VT e nós sabemos que ele aconteceu porque existe a “Epopeia de Gilgamesh” que conta uma história muito parecida com a de Noé, nós temos o próprio Josefo, que não sendo cristão relatou no ‘Testemonium Flavianum’, em Grego Koiné que: “Havia neste tempo Jesus, um homem sábio […] Ele fez seguidores tanto entre os judeus como entre os gentios. E quando Pilatos, seguindo a sugestão dos principais entre nós, condenou-o à cruz, os que o amaram no princípio não o esqueceram; E a tribo dos cristãos, assim chamados por causa dele, não está extinta até hoje.”- JOSEFO, Flavio, História dos Judeus – CPAD, 2000.

Ou seja, existe um MIX de informações que foram ocultadas de nós sem que sequer tivéssemos a escolha de tê-las como verdade ou não, e esses mencionados, fora os “apocalipses” e vários livros das revelações que foram ignorados por não apresentarem coisas conexas e coesas, segundo os católicos. Basicamente os católicos ignoraram os livros por fetiche, mas adquiriram os 7 do deuterocanon que ensinava salvação por obras, métodos de tortura sendo aceito como doutrina, livros que diziam oração perdoa pecados e uma infinidade de absurdos. No geral, a pragmática igreja católica aderiu apenas o que lhe aprouve e ignorou aquilo que julgou como gnóstico, ou cético.

Bom eu deixarei alguns links para download dos livros apócrifos em PDF, se você for uma pessoa curiosa certamente vai pegá-los e lê-los.  Deixando claro que eu acredito na Bíblia como ela está, eu não sou adepto a teorias da conspiração, nem dos livros de Dan Brown, e nem nada do tipo, eu acredito na inerrância e na infalibilidade das escrituras do cânon que temos, mas eu adoraria ver sempre o conteúdo das escrituras e comparar com o que está escrito com o que não foi aceito.

Eu sou cristão, calvinista e crente no “sola scriptura”, mas por mim, deveria haver mais estudos “imparciais e sem adições de teorias conspiratórias sobre os apócrifos.

Link para download de livros apócrifos: https://onedrive.live.com/?id=2709D072310C75E0!112&cid=2709D072310C75E0

Autor: Paulo Ricardo Lima – pregador, palestrante DESMOTIVACIONAL, teólogo de boteco.

 

https://marceloberti.wordpress.com/2011/04/29/josefo-e-a-historicidade-de-cristo/

http://www.opusdei.org.br/pt-br/article/o-que-dizem-os-evangelhos-apocrifos/

http://www.autoresespiritasclassicos.com/Evangelhos%20Apocrifos/Apocrifos/Evangelhos%20Apocrifos.htm

http://quem-escreveu-torto.blogspot.com.br/2013/03/paulo-as-cartas-perdidas-aos-corintios.html

http://torredosatalaiasdejesuscristo.blogspot.com.br/2014/04/a-terceira-epistola-aos-corintios-third.html

https://sites.google.com/site/guardioesdaverdade/biblia-hebraica/canon-biblico/a-formacao-do-canon

http://www.doutrinasessenciais.com/2010/08/28/56/

 

  • Oi a parte 2 não está baixando.

  • Acho interessantíssimo a parte dos apócrifos principalmente Enoque!

  • João Farias

    Também acredito que deveria haver mais estudo desses livros com um olhar histórico, tentando comprovar sua veracidade ou não da mesma forma que se faz com qualquer obra de historiador. Parafraseando Augustus Nicodemus: Deus não permitiria que sua palavra se perdesse ou fosse alterada a ponto de mudar o sentido da mensagem central que é a salvação e como ela é alcançada…